quinta-feira, outubro 15, 2009

Coisas da nossa terra ( 3 )

Como é do domínio público, a CNE excluiu um certo número de partidos políticos da corrida eleitoral alegadamente por incumprimento da legislação eleitoral. De seguida ouvimos lamentações desses mesmos partidos. Outro (s) até avançaram com queixa crime contra a CNE, segundo a imprensa. Depois das lamentações, uma parte de partidos excluídos decidiu apoiar a FRELIMO e o seu candidato, A. Guebuza, são os casos de Partido Trabalhista, Partido Egologista e o PIMO. Outra parte de partidos excluídos, 17 partidos, decidiu apoiar o MDM e o seu candidato D. Simango. Mazanga, porta voz da Renamo, manifestou, em conferência de imprensa o seu total repúdio, considerando que os partidos excluídos, sobretudo os que decidiram apoiar a FRELIMO e A. Guebuza, estavam a aniquilar a "democracia multipartidária". É interessante ver como as coisas acontecem na nossa terra. Será que os partidos que decidem apoiar a Frelimo e o seu candidato, porque, segundo eles, é o partido que tem o melhor programa podem ser considerados partidos da oposição? Como é que o seu apoio a Frelimo pode ser interpretado? Ou estamos perante um manifesto fracasso desses partidos na arena política da nossa terra? E caso isto vire moda, que cenário se espera no futuro? E em relação aos excluídos que decidem apoiar o MDM? o que se pode dizer?

1 comentário:

Nero Kalashnikov disse...

A democracia tem dessas meu caro compatriota.

Em todos os paises democraticos com mais de dois partidos politicos isso eh possivel.